Parque Tecnológico do Rio

O Parque Tecnológico do Rio está situado no campus da UFRJ, na Ilha da Cidade Universitária, em uma área de 350 mil metros quadrados. Até 2014, quando as obras deverão estar concluídas, estarão instalados centros de pesquisa de pelo menos 11 grandes empresas, 5 laboratórios mantidos pela COPPE e uma dezena de pequenas e médias empresas. Cinco mil pesquisadores trabalharão nos centros que estão sendo construídos com mais de R$ 500 milhões em investimentos públicos e privados.
O projeto nasceu em 2003 com o objetivo de estimular a interação entre a universidade – alunos e corpo acadêmico – e empresas, além de transformar conhecimento em riqueza. Este ambiente de inovação, além de estimular o empreendedorismo entre estudantes, garante às empresas um acesso privilegiado a laboratórios, profissionais de alta qualificação, além de novas oportunidades de negócios e de pesquisas de ponta.
O sucesso do empreendimento se evidencia na rápida licitação de terrenos disponíveis. Este movimento foi impulsionado por dois fatores: a presença de uma empresa âncora – a Petrobras – através de seu centro de pesquisas, o Cenpes, criado nos anos 60, e a descoberta do Pré-Sal, anunciada em 2007. Apenas oito anos após sua inauguração, o Parque do Rio fechou a fase de ocupação e começou uma busca por novas áreas para expansão. Entre os projetos futuros do Parque, se encontram a construção da Torre da Inovação e a expansão do terreno do Parque para a Ilha do Bom Jesus, no chamado Polo Verde.

Projetos futuros

Além de centros de pesquisa de multinacionais, o Parque do Rio vai gerar oportunidades para empresas de base tecnológica de menor porte. Para que essas oportunidades se desenvolvam, o Conselho Diretor reservou a área restante para o desenvolvimento de projetos de incentivo a pequenas e médias empresas. Um deles é a Torre da Inovação, que vai abrigar uma centena de PMEs de diversos setores. O objetivo do empreendimento é apoiar empresas nacionais em busca por novos mercados, e empresas internacionais interessadas em aterrissar em solo brasileiro e em transferências de tecnologias.
O terreno de 240 mil metros quadrados na Ilha do Bom Jesus virá se somar à área original do Parque, resolvendo temporariamente a demanda por novos terrenos. A expansão foi viabilizada através de negociações entre o Governo do Estado, a prefeitura do Rio de Janeiro e o Exército brasileiro. A ocupação seguirá um modelo ecologicamente sustentável, transformando o espaço no primeiro Polo Verde do país e criando um importante marco no avanço da economia verde.

Grandes empresas instaladas:

• Schlumberger: Multinacional especializada na área de petróleo e gás e prospecção geofísica, que assinou acordo com a Petrobras e UFRJ para construção do primeiro centro internacional de pesquisas para tecnologias do pré-sal. O centro de pesquisa foi inaugurado no dia 16 de novembro de 2010.

• Baker Hughes: Empresa norte-americana fornecedora de equipamentos, serviços e softwares para a indústria de petróleo e gás, firmou acordo de cooperação tecnológica para implantação do Centro de Tecnologias do Rio (RTC), no Parque Tecnológico. O Centro de Pesquisa foi inaugurado em 7 de outubro de 2011.

• FMC Technologies: Líder mundial em soluções de exploração e produção submarinas para a indústria de óleo e gás. O Centro de Tecnologia da FMC no Parque foi inaugurado em 9 de janeiro de 2012.

• Halliburton: Empresa norte-americana prestadora de serviços para exploração e produção de petróleo. Vai ocupar terreno de sete mil metros quadrados para construção do centro de pesquisa, para o desenvolvimento de caracterização e o monitoramento de reservatórios; a produtividade, construção e completação de poços de petróleo. A previsão é que até o final de 2012 o centro de pesquisa esteja concluído.

• Tenaris Confab: A fabricante de tubos aço ocupará terreno de quatro mil metros quadrados, onde vai construir seu centro de pesquisas voltado para os setores de P&G, mineração, construção civil e automobilística. O objetivo é desenvolver novas tecnologias para soldagem de tubos, testes e simulações para tubos de grande diâmetro e estudos de revestimentos metálicos de polímeros. A previsão é que até o final de 2012 o centro de pesquisa esteja concluído.

• BGE&P Brasil: A BG Brasil atua na área do petróleo, na exploração e produção de hidrocarbonetos na Bacia de Santos. A BG Brasil, juntamente com a Petrobras, desenvolve tecnologias para a exploração e produção de óleo e gás em grandes profundidades. Em cooperação com a UFRJ, a BG Brasil irá desenvolver projetos de pesquisa envolvendo Rochas Carbonáticas, gerenciamento de CO2, segurança e integridade.

• EMC Computer Systems Brasil: A EMC oferece equipamentos para armazenamento e análise de quantidades cada vez maiores de informações. O Centro de P&D da EMC no Brasil desenvolverá pesquisas voltadas para a área de Grandes Dados (Big Data), que tem aplicações importantes em áreas como a genética, geologia e entretenimento. Para isso, a EMC pretende cooperar com o Núcleo de Atendimento a Computação de Alto Desempenho (NACAD) e os departamentos de Engenharia Elétrica e de Geologia.

• Siemens: A Siemens é uma das empresas mais inovadoras do planeta, tendo mais de 30 mil colaboradores envolvidos em pesquisas ao redor do mundo. No Parque Tecnológico do Rio, a Siemens vai desenvolver pesquisas nas áreas de tecnologia offshore e submarina, tecnologias sustentáveis, energias renováveis e desenvolvimento de software. Haverá cooperação com diversos laboratórios da UFRJ.

• V&M do Brasil: A Vallourec & Mannesmann é uma empresa siderúrgica que soluções inovadoras em diversas áreas. O centro de pesquisas terá como foco principal a realização de pesquisas sobre o pré-sal, além da criação de projetos voltados para o desenvolvimento do uso de tubos e produtos tubulares com fins estruturais, automobilísticos, de transportes e robótica. Também irá otimizar o modelo energético e tecnologia ambiental.

• GE: A empresa multinacional de serviços e tecnologia vai instalar o seu quinto Centro de Pesquisa Global dentro da Cidade Universitária, na Ilha de Bom Jesus. O Rio de Janeiro foi escolhido para receber o centro depois de um longo processo de seleção. A empresa já se encontra instalada em espaços provisórios.

• L’Oréal: A empresa de cosméticos especializada em produtos para cabelos, perfumes, protetores solares e produtos dermatológicos focará seu Centro de Pesquisa e Inovação para a América Latina no desenvolvimento de produtos adaptados ao mercado brasileiro e latino-americano, com potencial de comercialização em outros países.

Pequenas e médias empresas instaladas:

• Ambidados – Criada em 2007, a partir de um spin-off do LIOc (Laboratório de Instrumentação Oceânica), foi instalada na Incubadora de Empresas da COPPE/UFRJ no ano seguinte. A empresa oferece serviços e produtos para a indústria de petróleo e gás, com foco no monitoramento ambiental;

• Ambipetro – Criada em 2003 pelos fundadores da OceanSat, empresa graduada na Incubadora de Empresas da COPPE/UFRJ que foi vendida, a Ambipetro é especializada em prover soluções para os setores de energia e meio ambiente;

• Aquamet – Empresa criada na Incubadora de Empresas da COPPE/UFRJ em outubro de 2007. Atua no desenvolvimento de serviços e produtos para área de meteorologia;

• BR Distribuidora – que está montando um laboratório específico sobre técnicas de pavimentação e novos tipos de asfaltos;

• ESSS Engineering Simulation and Software – especializada na área de óleo e gás, que em 2008 ganhou o prêmio Finep de inovação;

• Ilos Instituto de Logística e Supply Chain – empresa de logística que nasceu na Coppead/UFRJ;

• Inovax – Desenvolve soluções em telecomunicações para uso profissional de alta performance. A empresa atua no mercado de TI desde 1989;

• Maemfe – Empresa metalúrgica com 26 anos de experiência na transformação de materiais em produtos. O centro no Parque estará focado apenas em P&D;

• PAM Membranas – empresa graduada pela Incubadora de Empresas da Coppe/UFRJ e primeira empresa brasileira a fabricar membranas de microfiltração, tecnologia de ponta para reuso da água;

• Virtualy – Empresa especializada no desenvolvimento de simuladores, nasceu na Incubadora da Coppe/UFRJ em 2009. É um spin-off do Laboratório de Métodos Computacionais em Engenharia – LAMCE/COPPE.

Laboratórios e centros de pesquisa

• LabOceano – Laboratório de Tecnologia Oceânica

Em operação desde abril de 2003, foi projetado com a finalidade de realizar ensaios de modelos de estruturas e equipamentos usados nas atividades de exploração e produção de petróleo e gás offshore, cujas operações avançam rapidamente para regiões de até 3 mil metros de profundidade. O tanque do laboratório é o mais profundo do mundo e representa um marco na liderança brasileira no desenvolvimento de tecnologias de águas profundas.

• NUTRE – Núcleo Tecnológico de Recuperação de Ecossistemas

Projeto criado há cinco anos e destinado à pesquisa e aplicação prática de tecnologias na recuperação do meio ambiente, indicadas por uma rede de mais de 350 especialistas em várias áreas de atuação. O Nutre está operando de forma provisória na Incubadora de empresas da COPPE.

• GIGTECH – Instituto Global para Tecnologias Verdes e Emprego

Integra atividades da COPPE voltadas para o desenvolvimento sustentável e a inclusão social. O instituto, lançado com apoio da Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Rio de Janeiro e do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), da ONU, abriga o Painel brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC) e o Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC).

• CEGN – Centro de Excelência em Gás Natural

Participa da rede temática da Petrobras dedicada a transformação dos conhecimentos de pesquisa dos laboratórios e unidades de pesquisa em produtos processos e serviços da rede de valores do gás natural.

• LabCog – Centro de Realidade Virtual

Laboratório criado para o desenvolvimento de pesquisas, design de plataformas, combinação experimental de interfaces comerciais (hardware) e arquitetura, design e integração de software e, ainda, para experimentação de protótipos.

• LEAD – Laboratório de Aplicação e Desenvolvimento em Instrumentação, Automação, Controle, Otimização e Logística
No laboratório serão reproduzidos ambientes de salas de controle e instrumentos para avaliação das novas rotas tecnologias na área de automação e controle de riscos, além de treinamento de profissionais em refinarias de petróleo.